letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
23
Out 12
publicado por RAA, às 01:34link do post | comentar

D. Carlos I, Praia de Cascais  (1906)

Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, Lisboa

05
Jun 11
publicado por RAA, às 03:55link do post | comentar | ver comentários (3)
D. Carlos I (a bordo do iate «Amélia»): ele é que nos topava...

24
Set 06
publicado por RAA, às 16:52link do post | comentar
Lisbôa
Rua do Passadiço -- 1
Ex.mo Senhor
E meu prezado amigo
Perdôe-me V. Ex.ª não lhe ter escripto apenas cheguei a Lisboa. Mas se soubesse o que tem sido a minha vida! Quasi não tenho descansado um instante. Os meus trabalhos jornalisticos, as canseiras politicas, a troca de cumprimentos com tantos que me mostraram a sua sympathia e dedicação, não me deixaram um momento do meu. E com tudo era profundamente grato ao meu coração o testemunhar-lhe o meu reconhecimento pelas suas amabilidades affectuosissimas, e d'outros amigos que deixei em Salamanca, onde, apesar dos desgostos que me opprimiram, passei alguns dias que não me esquecerão.
Conheci hoje, não sei com que verdade, que no seu apis se descobriu uma conspiração contra o Rei Affonso. Será verdade? Aqui, as pessoas mais chegadas ao Paço, vivem n'um terrôr de agressões e desacatos ao jovem reisinho, que é pessoalmente encantador, com um grande desêjo de acertar, possuido da melhor bôa-vontade de sêr querido do pôvo, mas que não sei se possuirá talentos para o difficilimo mister de rei nestes tempos de democracia. Se elle conseguir subtraer-se ás nefastas influencias que assediaram seu pai, se o seu espirito tiver energia para comprehendêr a [?] dos tempos d'hoje e a necessidade de conciliar a liberdade com a tradicção monarchica, póde fazér esquecer os erros do rei D. Carlos e reabrir uma nobre missão de chefe d'Estado. D'outra fórma, agoiro-lhe tormentosas tempestades, porque o meu paiz, de condição branda e dôce, não consente a repetição dos atentados politicos que o ensaguentaram e convertêram esta terra, digna de todas as prosperidades pelas affectivas e trabalhadoras qualidades do seu pôvo, n'uma nação convulsionada por fortes odios politicos. O funesto dictador que desencadeou a tempestade espia longe, em Verona, a sua loucura criminosa.
Releve-me, meu Amigo, esta longa carta. Sei quanto se interessaria por esta boa terra portuguêsa e por isso fiquei a conversar demoradamente consigo, tendo uma grande alegria em lhe dizer que floresce aqui a antiga liberdade e tolerancia, que vai melhorando a núa situação economica e financeira, e que, se o Rei tiver tino e os homens publicos possuirem talento e patriotismo, bellos dias estão destinados ao querido Portugal. Desejo-os tão bem á sua bella e querida Hespanha!
Espero, este anno, se haverei d'uma visita sua á minha casa de Parede.
Sou
De V. Ex.ª
m.to ob.do Am.º e ad.m
José M. d'Alpoim
Epistolario Portugués de Unamuno
(edição de Ángel Marcos de Dios)

21
Jan 06
publicado por RAA, às 15:41link do post | comentar

publicado por RAA, às 15:39link do post | comentar
I noute.
16 -- 5 -- 906
Meu querido João Franco
Tendo o Presidente do Conselho, Cons.º Hintze Ribeiro, acabado n'este momento, por carta que acabo de receber e por motivos... que de viva voz te exporei, de depôr nas minhas mãos a demissão do Ministerio, e desejando eu que n'este momento te encarregues da formação do novo ministerio, desejo que aqui venhas falar-me, logo possas, e quanto mais cedo melhor.
Ha muito a fazer e temos, para bem do Paiz, que seguir por caminho differente d'aquelle trilhado até hoje; para isso conto comtigo e com a tua lealdade e dedicação, como tu podes contar com o meu auxilio e com toda a força que te devo dar.
Sempre teu
Amigo verdadeiro
Carlos R.
Cartas d'El-Rei D. Carlos I a João Franco Castello-Branco Seu Ultimo Presidente do Conselho

02
Out 05
publicado por RAA, às 15:05link do post | comentar | ver comentários (4)
Nunca as pompas da realeza e os cerimoniais da corte captaram a predilecção dos seus gostos simples. A sua casa do Vidigal, que ele mesmo edificou e em cujo retiro rural tanto se comprazia, em nada se diferença da de qualquer mediano lavrador alentejano. Aí frugalmente se alimentava da rude cozinha local, e habitualmente vestia, como os seus abegões, a jaqueta de burel e os ceifões de pele de borrego, podendo dizer na língua chã, predilecta do fundador da sua dinastia: -- «A mim todo o alimento me sustenta, todo o pano me cobre, toda a roupa me serve.»
Rei D. Carlos o Martyrisado

mais sobre mim
Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15


25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO