letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
01
Mar 09
publicado por RAA, às 23:28link do post
José Saramago, A Viagem do Elefante, Caminho, Lisboa, 2008.
Muito tempo depois, desde A Jangada de Pedra -- e não contando com alguns textos laterais, como o muito interessante -- As Pequenas Memórias --, regresso a José Saramago e deparo com um escritor na plenitude das suas capacidades estilísticas. Tive uma impressão semelhante quando li o magnífico Para Sempre, de Vergílio Ferreira: era preciso ter-se escrito muito e menos bem, anos e anos de prosa acumulada, para vir a público com um romance como aqueles.
N'A Viagem do Elefante, o escritor tinha o fio de uma história: o percurso de um paquiderme indiano da corte de D. João III, Lisboa, à do arquiduque Maximiliano, Viena. A narrativa dá-nos uma figura inesquecível, a do cornaca Subhro (rebaptizado Fritz, por Maximiliano...), personagem coadjuvada pela não menos interessante do comandante do destacamento que tem por missão conduzir Salomão, o elefante, e respectivo cornaca à fronteira, em Figueira de Castelo Rodrigo (a passagem de testemunho aos enviados do arquiduque é saborosíssima). Ora, neste belo livro, o que mais me agradou foi a sageza de autor, em que nada parece estar a mais ou a menos, servido por uma ironia e uma graça que me surpreendeu, a que se juntam delicosos anacronismos e inúmeras piscadelas de olho ao leitor, que, se não estou errado, têm no Almeida Garrett das Viagens na Minha Terra a sua principal fonte.
Depois do soberbo Levantado do Chão, de Memorial do Convento, de O Ano da Morte de Ricardo Reis e do até certo ponto decepcionante A Jangada de Pedra, este périplo elefantino -- Salomão entra no panteão bestial da nossa literatura ... -- foi para mim um feliz reencontro e abriu-me o apetite para quatro livros seus que tenho de há muito em carteira: História do Cerco de Lisboa, Ensaio sobre a Cegueira, O Evangelho segundo Jesus Cristo e Ensaio sobre a Lucidez, aos dois últimos acrescendo um interesse não exclusivamente literário.
A capa, de Rui Garrido, é uma festa para os olhos.

Incipit -- Por muito incongruente que possa parecer a quem não ande ao tento da importância das alcovas, sejam elas sacramentadas, laicas ou irregulares, no bom funcionamento das administrações públicas, o primeiro passo da extraordinária viagem de um elefante à áustria que nos propusemos narrar foi dado nos reais aposentos da corte portuguesa, mais ou menos à hora de ir para a cama.

P.S. - Graças à bloga, podemos sempre ler, quase em primeira mão, as anotações de Saramago no seu Caderno, privilégio que normalmente não dispenso, em acordo ou desacordo.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO