letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
01
Mar 09
publicado por RAA, às 23:28link do post
José Saramago, A Viagem do Elefante, Caminho, Lisboa, 2008.
Muito tempo depois, desde A Jangada de Pedra -- e não contando com alguns textos laterais, como o muito interessante -- As Pequenas Memórias --, regresso a José Saramago e deparo com um escritor na plenitude das suas capacidades estilísticas. Tive uma impressão semelhante quando li o magnífico Para Sempre, de Vergílio Ferreira: era preciso ter-se escrito muito e menos bem, anos e anos de prosa acumulada, para vir a público com um romance como aqueles.
N'A Viagem do Elefante, o escritor tinha o fio de uma história: o percurso de um paquiderme indiano da corte de D. João III, Lisboa, à do arquiduque Maximiliano, Viena. A narrativa dá-nos uma figura inesquecível, a do cornaca Subhro (rebaptizado Fritz, por Maximiliano...), personagem coadjuvada pela não menos interessante do comandante do destacamento que tem por missão conduzir Salomão, o elefante, e respectivo cornaca à fronteira, em Figueira de Castelo Rodrigo (a passagem de testemunho aos enviados do arquiduque é saborosíssima). Ora, neste belo livro, o que mais me agradou foi a sageza de autor, em que nada parece estar a mais ou a menos, servido por uma ironia e uma graça que me surpreendeu, a que se juntam delicosos anacronismos e inúmeras piscadelas de olho ao leitor, que, se não estou errado, têm no Almeida Garrett das Viagens na Minha Terra a sua principal fonte.
Depois do soberbo Levantado do Chão, de Memorial do Convento, de O Ano da Morte de Ricardo Reis e do até certo ponto decepcionante A Jangada de Pedra, este périplo elefantino -- Salomão entra no panteão bestial da nossa literatura ... -- foi para mim um feliz reencontro e abriu-me o apetite para quatro livros seus que tenho de há muito em carteira: História do Cerco de Lisboa, Ensaio sobre a Cegueira, O Evangelho segundo Jesus Cristo e Ensaio sobre a Lucidez, aos dois últimos acrescendo um interesse não exclusivamente literário.
A capa, de Rui Garrido, é uma festa para os olhos.

Incipit -- Por muito incongruente que possa parecer a quem não ande ao tento da importância das alcovas, sejam elas sacramentadas, laicas ou irregulares, no bom funcionamento das administrações públicas, o primeiro passo da extraordinária viagem de um elefante à áustria que nos propusemos narrar foi dado nos reais aposentos da corte portuguesa, mais ou menos à hora de ir para a cama.

P.S. - Graças à bloga, podemos sempre ler, quase em primeira mão, as anotações de Saramago no seu Caderno, privilégio que normalmente não dispenso, em acordo ou desacordo.

Corrijo: do Caderno :)

(miudinha de profissão)
Ana Paula a 3 de Março de 2009 às 01:52

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO