letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
03
Nov 06
publicado por RAA, às 19:07link do post | comentar

publicado por RAA, às 19:06link do post | comentar
</param>
[Error: Irreparable invalid markup ('<param<>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<embed src="http://www.youtube.com/v/SyOv6JrJrjQ" width="425" height="350" type="application/x-shockwave-flash" wmode="transparent"></embed></param><param<></param><param value="http://www.youtube.com/v/SyOv6JrJrjQ" name="movie"></param><param value="transparent" name="wmode"></param></embed></object>

02
Nov 06
publicado por RAA, às 23:46link do post | comentar | ver comentários (2)


Com Lost in Transaltion, Sofia Coppola já me dera um dos grande filmes dos últimos anos. Marie Antoinette, que vi ontem, ficará como um dos filmes mais impressivos que guardarei na memória.
Kirsten Dunst está admirável, não repisarei mais o que já outros disseram; ela é a Maria Antonieta que gostávamos tivesse de facto existido.
A atenção da realizadora aos pormenores de conforto e luxo é primorosa e um dos aspectos mais bem conseguidos do filme: do mobiliário e da indumentária às iguarias, desembocando nos ceremoniais e nas festividades, tudo concorrendo para dar de Versalhes o brilho da corte de «grande estrondo» -- nas palavras do diplomata português José da Cunha Brochado, que representara o nosso país junto de Luís XIV.
Gostei particularmente da abordagem de Sofia Coppola ao cerimonial de corte, divertidíssima -- embora, ao contrário do que se possa pensar, todas aquelas regras de precedência de que se compunham as normas de etiqueta fossem mais do que um mecanismo sofisticado dum expediente de futilidade. Antes se tratava de uma construção ideológica de que a coroa francesa lançou mão para controlar a nobreza que, noutros momentos da história de França exacerbara o seu poder à custa da fraqueza do poder real. O que sobressai, contudo, é a acumulação de tensões provocada pelos estritos preceitos comportamentais que não deixam ninguém incólume, nem o próprio rei -- como se verifica nos episódios protagonizados pela du Barry, amante de Luís XV, cuja aceitação nem ela nem o soberano conseguem lograr.
Uma palavra ainda para a transgressão de Sofia Coppola, que traz o selo dos criadores de raça: uma banda sonora que mistura Vivaldi e os Strokes, exemplarmente. (O mesmo sucede com os cartazes, cujo grafismo remete irresistivelmente para o Never Mind the Bollocks, dos Sex Pistols.)
E um pormenor: só reconheci Marianne Faithfull (a imperatriz Maria Teresa de Áustria) pela voz...
Li algures que, ainda no outro dia rodado, Marie Antoinette já é um filme de culto. Não tenho a esse respeito muitas dúvidas.

publicado por RAA, às 18:52link do post | comentar
</param>
[Error: Irreparable invalid markup ('<param<>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<embed src="http://www.youtube.com/v/daPov16MCpA" width="425" height="350" type="application/x-shockwave-flash" wmode="transparent"></embed></param><param<></param><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/daPov16MCpA"></param><param name="wmode" value="transparent"></param></embed></object>

01
Nov 06
publicado por RAA, às 20:03link do post | comentar | ver comentários (2)
Um romance escreve-se lentamente, dá-se como silenciosamente ao público... e ao futuro.

Páginas do Diário Íntimo

publicado por RAA, às 20:01link do post | comentar

publicado por RAA, às 20:00link do post | comentar
</param>
[Error: Irreparable invalid markup ('<param<>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<embed src="http://www.youtube.com/v/5XhDHJNuyXw" width="425" height="350" type="application/x-shockwave-flash" wmode="transparent"></embed></param><param<></param><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/5XhDHJNuyXw"></param><param name="wmode" value="transparent"></param></embed></object>

mais sobre mim
Novembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO