letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
12
Out 11
publicado por RAA, às 22:49link do post | comentar

Um estudo de Stefano d'Errico sobre o magnífico Camillo Berneri (1897-1937). Berneri, depois de Errico Malatesta e Luigi Fabbri, é a grande referência histórica do anarquismo italiano. As suas ideias, heterodoxas, debatem um dos tabus do pensamento libertário clássico, o da organização política -- no fundo, o calcanhar de aquiles da táctica deste movimento heterogéneo, que não resiste, no terreno, ao confronto com organizações adversas de pendor autoritário ou  totalitário. Isso foi visível na década de 1930, cá e lá fora. Berneri não pretende obviamente macaquear os partidos políticos, mas reconhece que havia que ir para além das proclamações , tão bombásticas quanto vazias, e da veneração quase religiosa dos grandes autores, Kropótkin à cabeça. Intelectual e homem de acção, voluntário na Guerra Civil de Espanha, raptado e morto por agentes estalinistas às ordens de Palmiro Togliatti, secretário-geral do PCI,Camillo Berneri deu um contributo inestimável para a reflexão sobre a liberdade e a esquerda, pois sem liberdade a esquerda não passa de uma caricatura, de um embuste; e contribui substancialmente para a discussão em torno da superação do beco sem saída em que se colocava uma visão fechada do movimento anarquista , guetizado pela força das circunstâncias históricas.

 

«Evitar a autoridade significa evitar a sociedade. Um indivíduo pode viver no tonél de Diógenes, um povo necessita da cidade.» (p. 8)

 

raa1964

Stefano d'Errico, Anarquismo e Política: Revisão Crítica de Camillo Berneri, tradução de Elisa Areias e Luís Garcia e Silva, Lisboa, Centro de Estudos Libertários / A Batalha, 2009.


mais sobre mim
Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
14
15

16
19
21

23
25

31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO