letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
21
Fev 12
publicado por RAA, às 02:08link do post | comentar

20
Fev 12
publicado por RAA, às 02:07link do post | comentar

19
Fev 12
publicado por RAA, às 23:26link do post | comentar
Escrito aos 20 anos, com todas as fragilidades e todas as qualidades dessa idade, o segundo livro de Jorge Amado. Nele já está todo o Amado, irónico, revolucionário, iconoclasta e grande amante da vida.
incipit: «As nuvens encheram o céu até que começou a cair uma chuva grossa. Nem uma nesga de azul. O vento sacudia as árvores e os homens seminus tremiam. Pingos de água rolavam das folhas e escorriam pelos homens. Só os burros pareciam não sentir a chuva. Mastigavam o capim que crescia em frente ao armazém. Apesar do temporal os homens continuavam o trabalho. Colodino perguntou:
-- Quantas arrobas você já desceu?»
ficha
autor: Jorge Amado (Itabuna, 10.VIII.1912 -- Salvador, 6.VIII.2001)
título: Cacau (1.ª edição, 1933)
fixação do texto: Paloma Amado e Pedro Costa
texto da badana: Eduardo Prado Coelho
colecção: «Bilbioteca Jorge Amado»
editora: Planeta DeAgostini
local: Lisboa
ano: 1999
págs.: 135
ilustrações: Santa Rosa
impressão: Cayfosa, Barcelona
obs.: no interior, retrato do autor por Jordão de Oliveira



publicado por RAA, às 12:06link do post | comentar
tags:

18
Fev 12
publicado por RAA, às 03:45link do post | comentar

publicado por RAA, às 00:17link do post | comentar

Delirante desde 1928. Não por acaso se fala de Dali aqui; talvez por acaso um simulacro de caravela portuguesa no enlace chalupa do Triângulo das Bermudas com Time Square... Este cartoon é uma das várias retomas de «Felix The Cat», fiel à letra e ao espírito da criatura de Pat Sullivan. 

 

Blair Peters, «Manhattan Triangle» (1995)

 


16
Fev 12
publicado por RAA, às 00:45link do post | comentar
tags:

15
Fev 12
publicado por RAA, às 00:45link do post | comentar

14
Fev 12
publicado por RAA, às 23:54link do post | comentar
Uma das últimas diabruras de Jorge Amado, sub-subtitulado Os Esponsais de Adma.
Chegamos a velhos, e é isto: a mão segue a solo, com grande mestria, e nada mais importa.
Além da diversão do divertimento, aumentei a minha cultura geral: no "Capítulo da Perfeição" do Livro do Génesis, fico a saber que a obra-prima do Senhor se designa por "xoxota de chupeta", devidamente ilustrada pelo grande carybé no "Rondó das Bucetas"...
Incipit: «A acreditar-se nos historiadores ibéricos, sejam espanhóis sejam portugueses, a descoberta das Américas pelos turcos, que não são turcos coisíssima nenhua, são árabes de boa cepa, deu-se com grande atraso, em época relativamente recente, no século passado, não antes.»
autor: Jorge Amado 
título: A Descoberta da América pelos Turcos 
subtítulo: Ou de como o Árabe Jamil Bichara, Desbravador de Florestas, de Visita á Cidade de Itabuna para Dar Abasto ao Corpo, Ali Lhe Ofereceram Fortuna e Casamento
sub-subtítulo: Os Esponsais de Adma
colecção: Obras de Jorge Amado #26
editora: Publicações Europa-América
local: Mem Martins
ano: 1994
págs.: 158
impressão: Gráfica Europam, Mira Sintra

publicado por RAA, às 23:21link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

17

24



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO