letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
15
Jul 07
publicado por RAA, às 13:51link do post | comentar
NITROGLICERINA

Um queixume febril enrola-se-me no corpo
como tiros de um vento alucinado, são 25
horas da tarde em cada nitrato de poema,
queixume subterrâneo de fictícios braços.

Projecta-se o recorte laminar nos porões barrocos
da tua mão que escreve com monstruosos lápis
de falésias sobre o mar na velha fotografia.

Jantaremos velas românticas a meio do restaurante.
Sonharemos galeras de sal e sangue no tempero da refeição.
Inventaremos um vendaval secreto por debaixo da mesa.

Pelas veias as velas e as selvas rasgam profundos vales:
adorei passear com as tuas janelas verdes, e lanço
beijos trovadorescos para os teus seios marítimos
até ao coração. O poema é por momentos
o nosso cardiograma.

Adeus, prometo escrever-te com regularidade
antes do regresso heróico das galés portuguesas
às praias desertas da tua excitação sexual.
Levo colunas de sonhos vermelhos, aluviões
de sangue que nos dedos apenas tremem como lagos,
holofotes de Molière sobre o meu dia adiado
enquanto o sangue escorre das areias para o pulmão.

Adeus, deixo-te a minha partida por fim todas as manhãs
à hora do noticiário, good-bye, my sweet friend,
I'll write you again sentado nos rochedos
de um epitáfio celeste. Adeus.


A Mecânica do Sexxo XXI

Interessante.
Ruela a 15 de Julho de 2007 às 14:36

Pois é.
RAA a 16 de Julho de 2007 às 21:06

mais sobre mim
Julho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





pesquisar neste blog
 
blogs SAPO