letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
27
Fev 07
publicado por RAA, às 22:30link do post
QUE BATE AS ASAS

É à noite que escrevo. Chego a casa e sento-me, o papel
é tão branco, tão limpo. Como ter braços para pôr devagar
à volta dos ombros redondos da rapariga; como beijar-lhe as orelhas
tão cheias de cor na tarde com árvores, com gente que passa.
Uma música da febre de Schumann vai-me ajudando a dissecar
os sentimentos. De pé, a tremer na sala vazia, enquanto os outros dormem,
eu compreendo por momentos que a vida, como uma borboleta
que bate as asas contra a luz escaldante da lâmpada, me
atormenta, me perverte. O operário da fábrica de automóveis,
o pintor de casas, dormem. A mulher e a criança, lá dentro,
sonham também. Cada um vive o seu destino secreto, espera
pelo tempo que há-de vir de novo, e eu,
à noite em casa, depois de ter estado de pé a deixar-me queimar
pelo aguilhão que a vida é, escrevo.

Na Pista, Entre as Linhas

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Fevereiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO