letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
09
Set 06
publicado por RAA, às 22:08link do post | comentar | ver comentários (2)

Ouvi a notícia da rádio, ainda meio ensonado, e pelo inusitado dela retive-a, mas sem grandes demoras -- uma tragédia a mais no fundo negro dos dias que passam. Hoje, via Tupiniquim, vejo a sua figura delicada postada no blogue de Altino Machado, leio que empreendia uma pesquisa de grande relevo na Amazónia, com importância económica, social e cultural. Apercebo-me até da nossa quase vizinhança aqui em Cascais, pois era filha do vice-presidente da direcção dos Bombeiros dos Estoris.
Apetece-me postar também a fotografia em que Nesi, como era chamada, surge viva e estuante de promessas. Depois de conhecida a sua actividade, ela ganha uma aura dum encantador optimismo duma vida cheia de sentido, cuja interrupção, perpetrada por um detrito com forma humana, viria a desmenti-la.

01
Ago 06
publicado por RAA, às 19:26link do post | comentar | ver comentários (2)
Achei sempre um piadão ao Alberto João (a rima atesta a veracidade); lembra-me muito um velho bêbedo cá de Cascais, o Marcial, que só não digo que Deus tem, porque ele próprio se dizia Deus. Nós, os miúdos, espicaçávamo-lo e tumba!, ora se punha a lançar anátemas, ora em pregação, agarrado a um grande crucifixo que trazia ao pescoço, ou levantava enigmaticamente os olhos para o céu -- não para pedir por nós, uma vez que ele era Deus e, portanto, tudo podia. Tinha uma carinha rechonchuda, assim do tipo do conhecido madeirense.
Quanto ao Jaime Ramos, naquela festa foleira do Chão da Lagoa, recordou-me um ser que nunca vislumbrei pessoalmente, um espectro cuja lenda chegou até aos dias de hoje. Era um característico, um atrasado mental que por 5 tostões emitia ventosidades com estrépito pelo ânus -- o vulgar traque. Como o Jaime Ramos é um especialista em retretes, está explicada a associação espúria.
Agora o PDS nacional (segundo o Público de hoje) e o comandante Azevedo Soares -- que até foi candidato à presidência cá do burgo -- a fingirem que não é nada com eles, pois é..., pois é..., e tal, estamos numa democracia, a expressão é livre, há que respeitar, e patati e patatá... Com franqueza, se isto não é um partido de mariconços!...

07
Jul 06
publicado por RAA, às 19:41link do post | comentar


Eu vou

24
Jun 06
publicado por RAA, às 02:25link do post | comentar | ver comentários (3)
O Parque rebenta pelas costuras.
Alegría.
De joelhos e de cócoras,
as fotógrafas procuram ângulo.
Alegría.
Waine despeja notas
com ar de executivo em férias.
Alegría.
Engasgado o soprano,
a secção rítmica arranca-nos
inesperadas flexões
de joelhos. De joelhos
as fotógrafas continuam
à procura do melhor ângulo.
Alegría.

O tempo estava incerto.
Chuva no final do concerto.

Cascais, 12-VIII-2003

09
Jun 06
publicado por RAA, às 22:15link do post | comentar
António Carneiro, Onda (Vaga)
Colecção particular (Jorge de Brito), Cascais

17
Abr 06
publicado por RAA, às 18:24link do post | comentar | ver comentários (4)
O sol põe-se
sobre o lento bater das ondas,
e despede-se
do meu corpo de areia.

Seis Composições Outonais
2001

28
Nov 05
publicado por RAA, às 22:12link do post | comentar
1) Hoje foi lançado no Centro Cultural de Cascais (Gandarinha) o livro de João Moreira dos Santos, Duarte Mendonça -- 30 Anos de Jazz em Portugal, editado pela Câmara Municipal de Cascais. Repositório essencialmente fotográfico, tem esse grande mérito de recordar uma história em que Cascais mais uma vez se destacou, graças ao sócio de Duarte Mendonça, Luís Villas-Boas. Pessoalmente, recordou-me o concerto mais recuado que a minha memória conseguiu alcançar: tinha 15 anos, e já se manifestava o pendor rocker: no Pavilhão do Dramático de Cascais -- que viria também a ser conhecido pela «Catedral do Rock», lembro-me duma tarde de blues, e da guitarra de Buddy Guy, (Buddy Guy / Junior Wells Blues Band), 11 de Novembro de 1979 (ver p. 90).
2) O jornalismo como grupo profissional sempre primou pela sua razoável indigência. A literatura tem-no referido abundantemente, basta uma referência à caricatura do Palma Cavalão, d'Os Maias. De Eça de Queirós a Fernando Pessoa, de Ferreira de Castro a José Régio, poucos terão sido os escritores de valor que não tenham de alguma maneira execrado, com verdadeiro nojo, a inanidade periodística. Também alguns plumitivos desassombrados o têm feito, como sucede com João César das Neves -- de quem normalmente discordo, mas cuja frontalidade não me desagrada. Neves, que traça um retrato negro dos media no DN de hoje, escreve o seguinte: «Ver o relato jornalístico de algo em que participámos é ficar, em geral, com a sensação de ouvir a única pessoa na sala que não percebeu nada do que ali aconteceu.» Ou como diria o Álvaro de Campos, com aquela qualidade chã dos algarvios: «Ora porra! / Então a imprensa portugueza é / que é a imprensa portugueza? / Então é esta merda que temos / que beber com os olhos? / Filhos da puta! / Não, que nem / ha puta que os parisse.»
3) A ler: José Fernandes Pereira (dir.), Dicionário de Escultura Portuguesa (dir.) (Caminho).
4) A ouvir: Rui Veloso, Espuma das Canções.

22
Nov 05
publicado por RAA, às 20:12link do post | comentar | ver comentários (2)
1) E de repente, o Ariel Sharon torna-se(-me) personagem mais simpática. Será para durar?
2) Tomé Pinto em entrevista a Adelino Gomes, a propósito dos 30 anos do 25 de Novembro: «Quando se dá a ocupação das bases [aéreas], estamos num período insurreccional. Alguém sugere que se chame o Ramalho Eanes [.] Este diz a Costa Gomes que tem um grupo de oficiais que podiam tomar conta da situação. "Quem são"? Ele respondeu: "Estão comigo, eu sei quem é que são." Mas não revelou os nomes e ainda bem. O Presidente disse: "Então avance." Além dos Comandos, nós tínhamos outra unidade, muito esquecida, que é [o Regimento de Cavalaria de ] Estremoz. [...] Mas a primeira unidade que avançou não foi nenhuma destas, mas sim o CIAAC [de Cascais] do capitão Pinto Ramalho, hoje general. Foram de lá os primeiros pelotões a avançar.»

16
Nov 05
publicado por RAA, às 20:59link do post | comentar | ver comentários (4)
tags:

publicado por RAA, às 20:56link do post | comentar
O navio agora saía da barra: -- balouçava-se já sobre o crespo líquido do oceano.
E Cascaes, adormecida, vergastada pelo mar, dir-se-ia uma dessas povoações de pescadores que, vistas de noite, parecem cemitérios devastados.

A Boca da Esfinge

mais sobre mim
Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15


25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO