letras, sons, imagens -- revolução & conservação -- ironia & sarcasmo -- humor mau e bom -- continua preguiçoso
03
Jul 06
publicado por RAA, às 20:02link do post | comentar
(SONETILHO 3.º. DE VIOLANTE DE CISNEIROS)

Quando a paisagem recolhe
Seus olhos, na tarde calma,
É como alguém que se olhe
Com olhos de alma p'ra alma.

Se a paisagem esmorece,
Fechando os olhos doridos,
É como alguém que perdesse
A noção dos seus sentidos.

Não vê... não ouve... não fala...
Paisagem de si ausente,
Fico-me ausente de olhá-la.

Caminho! Noite cerrada!
Sou a Paisagem de ausente
Toda em mim transfigurada.

Cantares da Noite / Líricas Portuguesas, 2ª. Série
(edição de Cabral do Nascimento)

publicado por RAA, às 20:01link do post | comentar

11
Jun 06
publicado por RAA, às 16:38link do post | comentar
28-6-1914

Irmão em Além!
Eu vos saúdo e vos peço que amanhã, entre o soar duplo das duas e o soar simples das duas e mais metade de uma hora, surjais com a vossa presença carnal -- sem prolongamento gesticulante de bengala agressiva -- à vil cova ou jazigo de inutilidades e propósitos artísticos que dá pelo nome humando de «Brasileira do Rossio». Da vossa tese vos falarei, insciente ainda se então pronta, mas pronta de certo, se não a essa, ora marcada, hora, ao cair lento e morno do crepúsculo de amanhã. Não vos aflijais! Os deuses têm tempo para tudo. E no dia 30 entregareis, se antes o Destino a não telegrafar de pronta.
Guarde-vos Deus; e que a futura Divindade Tutelar das Estranhezas Irritantes vos assente à sua mão direita.
Fernando Pessoa
Cartas a Armando Cortes-Rodrigues
(edição de Joel Serrão)

publicado por RAA, às 16:37link do post | comentar

mais sobre mim
Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15


25
26
27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO